rmc.abr

Um grupo profissionais de diversos setores se reuniu na manhã de hoje (23) em frente à Prefeitura de Campinas, para reivindicar a reabertura de suas atividades. O protesto reuniu profissionais do setor de bares, restaurantes, hotelaria, além de segmentos de beleza e do comércio em geral, que pedem a liberação imediata para funcionamento.

A cidade, que permanece há três semanas na fase vermelha do plano São Paulo de flexibilização da quarentena, tem expectativa para retornar a fase laranja (com liberação do comércio) na próxima segunda-feira (27). No entanto, mesmo com a liberação, os setores alimentícios e de beleza ainda são proibidos de reabrirem, sendo autorizados somente na fase amarela do plano que pode levar até 15 dias. Vale lembrar que o comércio não essencial está fechado na cidade há um mês.

A manifestação começou às 9h e foi organizada pelo Sinhotel (Sindicato dos Empregados no Comércio Hoteleiro e Similares). O protesto ainda contou com apoio da Abrasel (Associação Brasileira de Bares e Restaurantes), da ABSB (Associação Brasileira de Salões de Beleza) entre outros sindicatos da categoria.

No vídeo divulgado por organizadores, o Sinhotel cita uma manifestação pacífica e com segurança para pedir o comparecimento dos trabalhadores do setor. Segundo o sindicato, o fechamento causou 24 mil desempregados no setor, e prevê mais demissões caso a proibição de reabertura prossiga.

Com faixas, os manifestantes pediram a retomada responsável, alegando precisarem da liberação para conseguirem se manter. O presidente da ABSB, José Augusto Santos, participou do protesto e pediu a liberação independente da classificação do Estado. (A Cidade On)

Comentários